quinta-feira, 31 de julho de 2014

Enquanto

enquanto a justiça não vem
enquanto a verdade não se pronuncia
sobre a face trêmula do medo -

ainda há este abraço
como barcos voltando...

o pão correndo juros
é o templo que habitamos
e nos sustentamos

o trabalho ainda é o que temos
                             sempre há de ser
o ímpeto de um primeiro passo
e as mãos nunca estarão
suficientemente calejadas

a vitória permanece tímida
na margem do tempo-invenção
eclipse do sono
anti-sonho que não sonhamos
no fim
ainda estamos vivos

enquanto ela não vem
clarear o espaço curto
do quarto e do mundo
Ainda há este abraço
insolúvel

no fim
no fundo
estamos bem

2 comentários:

  1. Obrigado, dear. O que quer que aconteça / no espaço e no tempo/sempre haverá... Bjs

    ResponderExcluir